quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Minha experiência como vendedora

O ano está acabando e parei para analisar a reviravolta que a minha vida deu neste segundo semestre de 2016. Acredito que o emprego na Burberry do Seattle Premium Outlets foi um divisor de águas, pois está resgatando minha autoconfiança e provando (pra mim mesma) que eu sou capaz de muito mais do que imaginava. A função de vendedora – que eu julgava ser “simples e fácil” – se mostrou complexa e desafiadora em função das metas diárias de vendas pra bater sem que eu fale um “A” em mandarim (idioma da maioria dos clientes). Lembro que tive tantos medos e inseguranças no início que achei que não iria durar nem três meses. Porém, aqui estou, com quase com seis meses de casa e obtendo bons resultados toda semana! A sorte também é um fator importante, afinal, às vezes basta um cliente para ganhar todo o dia (tem muita gente rica no mundo, kkkkk).

Sempre gostei de me comunicar e lidar com o público (sou jornalista, né?!), mas este trabalho tem mexido horrores com meus sentimentos. Parece que sou outra pessoa aqui, uma Camila profissional diferente da que atuava no Brasil. Pra vocês terem ideia, já ganhei abraços de pessoas que gostaram do meu atendimento, porém também já chorei com clientes que gritaram comigo. Já senti na pele o preconceito por ser latina, porém é recompensador cada vez que os elogios chegam aos ouvidos das minhas gerentes.  

A verdade é que cada pessoa quer ser atendida de uma forma e preciso me adequar às necessidades e ritmo dela. Por exemplo: com chineses que não falam inglês, faço mímicas e dou meu jeitinho para que a gente se entenda. Também é comum me ver experimentando casacos e jaquetas para ajudar clientes que estão comprando presentes para outra pessoa sem saber o tamanho correto. Quero que todos saiam satisfeitos, então demonstro energia, disposição e dedicação. Como consequência, hoje dou mais valor para aqueles que se esforçam em me auxiliar quando eu estou no papel de consumidora em outras lojas (acreditem: há vendedores que têm preguiça de ir até o estoque).

E, como não poderia deixar de ser, durante este tempo na Burberry passei a ter acesso a um universo de produtos de luxo que me parecia inalcançável. Graças ao desconto de funcionária, já comprei: duas bolsas, dois casacos de lã, um lenço e uma echarpe, além do tão desejado trench coat e do clássico cachecol de cashmere dois grandes sonhos de consumo!!!

No final, faço um balanço muito positivo de toda esta experiência. Conquistei novos amigos, aprimorei meu inglês e ainda perdi peso, kkkkk! Claro que o trabalho é supercansativo (fisicamente falando), até porque ao chegar em casa preciso cuidar das atividades domésticas (passar roupas às 22h agora é normal, rs), mas também me sinto produtiva, estou ganhando meu próprio dinheiro e ainda contribuindo com o marido nas despesas! 

Tenho certeza de que meu falecido pai, que era gerente comercial, está megaorgulhoso do desempenho da filhota! Espero que Deus me continue me abençoando e me dando forças para morar nos EUA, apesar da saudade imensa da família. Que 2017 seja excelente para todos nós! Um beijo enorme para vocês que me acompanham aqui no blog e Happy Holidays!

Este post reflete as opiniões pessoais de Camila Vaz. O conteúdo publicado não representa necessariamente os pontos de vista da Burberry.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Look: Thanksgiving 2016

Até que enfim consegui atualizar o blog 🙌🏼! Estava num ritmo intenso de trabalho desde a famosa Black Friday (que ocorreu na sexta-feira passada), pois trata-se de um evento em que todo o comércio faz grandes promoções para atrair os consumidores e dar início às vendas de Natal. Na quinta-feira, porém, foi celebrado aqui nos Estados Unidos um dos feriados mais importantes do ano: o Dia de Ação de Graças (ou “Thanksgiving”). Por sorte, eu tive folga e junto com o marido fomos comemorar com uma família americana que nos adotou ❤️! Aí, aproveitei para clicar o look antes de sair de casa, pois queria mostrar a vocês como usei meu novo oxford flatform.

Eu admito que demorei a aderir a esta trend porque não tinha certeza se o solado branco grosso me agradava, apesar de amar oxfords em geral. Mas nada do que uma prova no pé pra me fazer mudar de opinião, hehe! O conforto me ganhou, assim como o metalizado, que é outra tendência do universo fashion. Quando vi o preço camarada, não resisti – porque sou dessas: certos modismos só me pegam se forem baratos (e desde que respeitem meu estilo pessoal). Não gosto de pagar caro em algo “passageiro” – e a ideia é justamente que o calçado seja o elemento atualizador do meu visual quando coordenado a outras peças atemporais.

Como o oxford remete a um tom champagne, optei por combinar com uma calça clarinha também, no caso, a branca de sarja que comprei para substituir a minha anterior (que estava folgada e a cintura baixa muito me incomodava). Eu mesma a destruí com tesoura e lixa de construção, pois adoro este detalhe destroyed – dá aquele ar descolado para a produção, sabem?

Aí, apostei na blusa de onça de manga longa, com corrente dourada na gola, a fim de acrescentar mais personalidade e informação ao look. Embora seja de malha (e não de seda ou outro tecido mais fino), me sinto elegante e rycah com esta peça, kkkkk. Pena que acabei escondendo-a em função do frio, que me obrigou a vestir um casaco pesado por cima. Escolhi o bege longo de lã por achar chique a combinação com branco. 

Desta vez não levei bolsa; apenas minha carteira com documentos e celular. O bacana é que o xadrez rendeu um mix de estampas junto à blusa, o que garante aquele toque de criatividade e ousadia. Arrematei com o batonzão vermelho para destacar o rosto.

O casaco bege não saía do armário desde o início do ano, quando usei com calça flare jeans, camisa de safari e bolsa de cobra. Sim, animal print é vício, haha:

No Instagram, algumas seguidoras me pediram para contar como foi a Black Friday – e o que posso dizer é que nos EUA as promoções são reais! Não é como no Brasil onde muitos estabelecimentos sobem os preços para depois oferecer descontos “tentadores” (e, no final, o produto sai o mesmo valor de antes). Na Burberry, por exemplo, demos 20% nas compras acima de US$ 400; 25% off acima de US$ 600; e, acima de US$ 850, 30% em todos os itens. Na Gap, se não me engano, tudo estava pela metade do preço e os consumidores ainda ganhavam um cupom com 20% de desconto extra (aliás, os cupons rolaram soltos em várias lojas, pois é uma prática bem comum). Observem os anúncios de algumas vitrines do Seattle Premium Outlets:

Claro que acabei fazendo aquisições, ihihihi, então em breve vocês verão muitas novidades nos meus looks. Fiquem de olho aqui no blog e no IG (@camila_vaz)!

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Look: amor por lenços

Este é mais um daqueles posts em que eu pensei: será que eu publico isso? Mas, como de fato foi assim que eu saí de casa, não dá pra fugir da realidade, rs! Pois semana passada no meu dia de folga montei o look abaixo para ir ao quiroprata (estou com problemas musculares nos ombros e braços). A ideia não era “inventar a roda”, então apostei no poder de um simples acessório para incrementar a produção.

O destaque da vez foi o novo lenço de onça com a borda vermelha que comprei na Burberry. Aliás, o trabalho na loja tem me influenciado em vários sentidos: passei a gostar ainda mais deste tipo de adereço! Por sorte, aqui onde moro faz todo o sentido usá-lo, já que o clima frio de outono-quase-inverno pede uma proteção no pescoço – e por que não agregar uma interessância extra no visual, né?!

Lembro que, quando o vi nas prateleiras do estoque, já surtei com a beleza e qualidade da estampa. Aí pensei que valia a pena comprar por ser um modelo quadrado, o que possibilita várias amarrações diferentes. Neste dia, preferi dobrá-lo na diagonal (formando um triângulo), depois cruzei as pontas na nuca e finalizei com dois nozinhos na frente. Observem o passo-a-passo:

Estou ciente de que esta amarração não é a mais indicada para quem, como eu, tem ombros largos/seios fartos, pois rende um volume extra no tronco (onde já somos grandes). Entretanto, como o lenço é de um material leve (seda com modal), não achei que ficou ruim. Tomei apenas o cuidado de não apertar muito perto do pescoço, evitando aquela aparência de sufocamento, rsrs.

De qualquer maneira, ele serviu para tirar a cara basicona do suéter verde musgo. Este tricô tem uma modelagem oversized e o charme de zíperes frontais, mas não deixa de ser um simples suéter... Então, o acessório foi fundamental para dar um upgrade na produção – e que diferença fez! Conseguem imaginar como tudo ficaria sem graça sem ele? Eu também adoro o contraste deste tom opaco de verde junto ao vermelho vivo!

Na parte de baixo, apostei num jeans skinny levemente destroyed – uma das poucas calças que estão me servindo atualmente (preciso comprar outras urgentemente! Quem sabe nesta semana durante a Black Friday...). E, só pra não perder o hábito, teve barra dobrada também – meu truque favorito de styling –, a fim de evidenciar a ankle boot camelo de suede. Ai como eu adoro essa bota! Ela é super confortável e estilosa em função das franjas, que conferem aquela pitada boho ao look.

Arrematei com a bolsa caramelo, uma das favoritas devido à praticidade das alças. E deu pra notar que eu cortei o cabelo? Fiz progressiva novamente com o cabeleireiro brasileiro que encontrei aqui nas redondezas e aproveitei para acertar o corte, repicando de leve as pontas. Assim me sinto mais eu!

O suéter verde tinha aparecido no blog uma única vez, no início de 2014, quando fez parte do “aerolook” para embarcar ao Brasil. Na época, coordenei com legging preta, botinha vermelha e echarpe bege de caveiras:

Democráticos, versáteis e atemporais, os lenços podem ser usados por mulheres (e homens!) de todas as idades; do dia para a noite; do trabalho ao lazer (vejam inspirações neste post). Como benefício, o visual ficará mais arrumado e com personalidade – basta achar o modelo que combine com seu estilo pessoal para se amarrar nesta moda! 😉

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Pra inspirar: looks com oxford flatform

Se tem um sapato que conquistou os pés da mulherada em 2016 foi o oxford flatform (valeu, Stella McCartney!). Eu admito que no início torci o nariz por conta do solado grosso e reto, mas acabei me rendendo depois que provei: aiiii que confortável e estiloso! Então, pensei que valia a pena compartilhar dicas para inspirar todo mundo que já encontrou um par para chamar de seu e quem sabe incentivar outras pessoas a aderir a esse modismo também!

Democrático, ele favorece mulheres de todas as idades (minha mãe, por exemplo, comprou a versão prateada, que é super tendência) e pode ser usado o ano inteiro – do verão ao inverno. Quer ver como, além de tudo, o oxford flatform é versátil? Continue comigo aqui:

Alternativa 1: combine com aquela sua calça jeans básica e agregue um toque fashion instantaneamente ao seu visual. Vale tanto uma produção all denim quanto a clássica composição com camiseta. Se quiser ficar mais arrumadinha, acrescente uma terceira peça que, de quebra, ainda vai alongar sua silhueta.

Alternativa 2: um look todo preto ou em P&B também é a prova de erros, mas procure modelagens diferentes (como o macacão com recortes) ou acrescente pontos de cor “colorida” nos acessórios para fugir da monotonia.

Alternativa 3: calça branca é curinga e funciona lindamente com o oxford. Legal que dá pra criar tanto uma produção em tons claros quanto outra coloridona e alegre. E não se esqueça do famoso truque de styling de dobrar a barra (mostrando o tornozelo), a fim de destacar ainda mais o calçado e conferir um charme extra.

Alternativa 4: por ser mais social do que um tênis, dá pra levar o oxford para o ambiente de trabalho coordenando com peças de alfaiataria. Blazers e terninhos são clássicos e comunicam seriedade/conservadorismo, porém, o sapato vai inserir aquela pitada moderna ao visual.

Alternativa 5: se você gosta de uma pegada relax, aposte na calça jogging (aquela com punho na barra). Por ser esportiva, ela fará um contraponto ao estilo do calçado e deixará o look mais interessante.

Alternativa 6: esbanje ousadia ao combinar com a pantacourt. A plataforma do oxford vai garantir uns centímetros extras, compensando o achatamento da calça curta. Se escolher um modelo nude, maior o efeito alongador.

Alternativa 6: shorts e macaquinhos são boas opções para compor os looks de verão e ficam uma graça com este tipo de calçado, pois é uma forma de substituir as tão comuns rasteirinhas. 

Alternativa 7: evidencie seu lado mulherzinha ao adotar as saias (dos mais variados comprimentos). Eu, particularmente, acho que este é um dos melhores jeitos de usar o oxford, pois você cruza referências distintas e equilibra as informações. Nem romântico demais, nem despojado demais.

Alternativa 8: a mesma ideia vale para os vestidos, pois eles também são símbolo de feminilidade/sensualidade e contrastam com o calçado, que tem ares masculinos. 

Alternativa 9: misture estampas e texturas em prol de um visual arrojado e cheio de personalidade. Exagere sem medo de ser feliz!

Alternativa 10: quando o frio chegar, lembre-se que o oxford vai bem com couro, pelúcia, tricôs, camurça, entre outros materiais. É assim que eu pretendo compor daqui pra frente, já que o inverno está batendo à porta. 

Como ele virou o sapato do momento, é possível encontrar uma versão que te agrade nas principais lojas do ramo. Curtiu ou pretende deixar essa moda de lado? Me conta nos comentários abaixo! 

Crédito das imagens: REPRODUÇÃO