O dia em que comprei minha primeira LV

Já compartilhei esta aquisição lá no Instagram, mas precisava deixar registrada aqui no blog também. Pra quem não viu, finalmente realizei um dos meus grandes sonhos de consumo: ter uma bolsa Louis Vuitton! Sei que para muita gente isso pode soar como bobagem, mas eu sou apaixonada pelo mundo da moda e dou super valor a marcas conceituadas. 

Pra vocês terem ideia, ela ocupava a posição número 1 da minha lista de desejos há anosss! Até que depois da viagem ao Brasil (em fevereiro) decidi que estava na hora de me dar este presente. Afinal, trabalho tanto e mereço, kkkkk! Na verdade, ponderei que, como ainda não tenho filhos, é o momento de fazer extravagâncias e gastar comigo mesma, pois imagino que quando os pimpolhos chegarem as prioridades vão mudar muito e eu não terei coragem de comprar bolsas caras... 

Então, coloquei uma meta para ficar mais fácil poupar e, no final, senti aquele gostinho de conquista pessoal, sabem? Isso porque não venho de família rica e nada cai do céu pra mim. Meus pais sempre me diziam: se você tiver o dinheiro na mão, compre; se não, espere juntar. Parcelar nunca foi hábito em casa e eu agradeço a eles por essa educação financeira. Posso até parecer consumista, mas acreditem que não comprometeria a fatura do cartão à toa. Quando o valor é alto, penso muuuuito antes de abrir a carteira.

Além disso, acredito que uma it-bag é uma bolsa de investimento e sei que ela vai durar horrores, até porque sou cuidadosa (quem sabe deixo de herança pra uma futura filha, haha) e a Louis Vuitton é conhecida pela qualidade indiscutível dos produtos. Assim como a Burberry (onde trabalho), na LV muita coisa ainda é feita a mão, com atenção aos mínimos detalhes. Por isso que a marca é a primeira opção da maioria das mulheres que deseja ter uma bolsa de luxo. Podem falar que está batida, que é coisa de “novo rico”, mas na minha opinião ela tem um glamour aliado à tradição que permanecem intactos. 

Agora, sobre a questão do modelo, eu não queria os mais vendidos (Speedy e Neverfull) e nem o monograma clássico das letras. Então, depois de muita pesquisa, selecionei duas opções. Aí fui até a loja para ver com meus próprios olhos (e mãos, hehe) e fiz minha escolha: a Croisette, com estampa Canvas Damier Ébène, por ser delicada e elegante. Além disso, ela pode ser carregada na mão, no ombro ou transpassada (essa versatilidade é essencial pra mim). Mesmo compacta, cabem a carteira e o celular, mas, caso queira levar óculos de sol, por exemplo, basta usar um porta-cartão ao invés de carteira grandona. Tudo certo, com a sofisticação do visual garantida! 

Daí que eu estava toda empolgada querendo estrear minha nova aquisição e, quando o marido sugeriu da gente pegar um cineminha, comecei o look a partir dela. Aproveitei a estampa marrom para compor um mix & match com outra novidade do meu acervo: o casaco de oncinha! Vocês podem achar que já viram esta peça aqui, mas na realidade eu tenho a versão de pelúcia – e este foi presente de Natal do marido, porém só consegui usá-lo agora na primavera com as temperaturas mais amenas (ele não é quente para o inverno rigoroso daqui).

Por baixo, apostei numa combinação moderna, porém discreta em termos de cores: jeans na camisa e na calça skinny – apenas tomei o cuidado de selecionar lavagens diferentes para deixar a produção mais interessante. Normalmente eu colocaria a camisa por dentro (em prol de um melhor acabamento), porém não rolou. Como a calça tem a cintura alta e o tecido da camisa é muito grosso, o caimento não ficou legal na região da barriga. Percebi que não adiantava ficar lutando contra, então deixei por fora mesmo...

O sapato também é novo por aqui. Quando eu estava no Brasil, ganhei de presente de aniversário uma sapatilha de uma amiga e, como ficou pequena, acabei trocando por este modelo bege envernizado com a ponta redonda preta (Chanel inspired), unindo assim duas grandes tendências da temporada. O salto bloco também é super confortável e, apesar do ar de “vovozinha” deste modelo, eu amei! Não fica caricato porque meu estilo não tem nada de retrô. 

Como se o visual já não tivesse informação de moda suficiente, adicionei ainda um ponto de cor extra nos brincos! Neste dia eu definitivamente estava na vibe “mais é mais”. O minimalismo passou longe, rs. 

Fazia um tempão que a camisa jeans não dava as caras no blog. Por coincidência, o último look também incluiu a estampa de onça, porém na saia longa:

Ufa, o post ficou enorme, mas é que eu precisava colocar em palavras todo o sentimento que uma “simples” bolsa despertou em mim. Espero que vocês tenham gostado e obrigada pela visita! 😊

Comentários

  1. Eu realmente pensei que o casaco já tinha aparecido por aqui. E olha só, no Instagram eu nao havia observado o detalhe do brinco. Ficou tudo lindo. A sapatilha não ficou nada vovó. Vc sabe combinar tudo muito bem. Parabéns pela conquista da bolsa. Vc merece. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba, que bom que gostou de tudo, amiga! Obrigada pelo carinho de sempre! Adoro quando você deixa comentários aqui no blog =)

      Excluir
  2. Marcela Dohara29/06/2017 05:31

    Fiquei tão feliz com a aquisição da minha tb que entendo perfeitamente seu sentimento, Camila! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ihihihi, que bom, Marcela! O duro é que depois da primeira a gente tem vontade de ter outras também, né?! Haja dinheiro, kkkkk! Obrigada pela visita e comentário =)

      Excluir

Postar um comentário