Diário da gravidez: reta final

Uiii, será este o último post antes da Annalise nascer? Confesso que até semana passada eu achava que a bolsa poderia estourar a qualquer dia, mas depois da consulta de ontem com a obstetra mudei de ideia. Estou com pouca dilatação, o que me faz acreditar que ela virá ao mundo somente no dia 12 de novembro, quando está marcada a indução do meu trabalho de parto. Por orientação médica, não devemos prolongar a gravidez além desta data. Mas é tudo muito imprevisível, né?! Pra mim, uma pessoa que gosta de se planejar, é meio estranho não ter o controle das coisas – e já me conformei que daqui pra frente viverei em função de uma bebê que mandará em mim, haha!

De qualquer maneira, cheguei naquele ponto da gestação que toda grávida reclama: barriga pesada e dificuldade para dormir. Não tenho mais posição na cama e nem meu travesseiro gigante tem ajudado nesta reta final. Não tô conseguindo relaxar facilmente e aí a cabeça atrapalha ainda mais porque fico pensando que esta é a hora de dormir tranquilamente, sem se preocupar em cuidar de uma recém-nascida... 

De vez em quando também tenho sentido algumas contrações doloridas e, durante a consulta, a médica me disse que a Annalise está “encaixada” certinha para conduzirmos um parto normal. Porém, se realmente rolar a indução no dia 12, as chances de cesárea triplicam. Tô tentando não pensar muito sobre o tipo de parto e deixar nas mãos de Deus. Desejo apenas que ela nasça saudável! 

Só que agora, aos 40 minutos do segundo tempo, outros médicos assumirão meu caso porque minha obstetra vai sair de férias nesta sexta-feira. Claro que não fiquei feliz com a novidade – afinal, ela me acompanha desde o início e me sinto confortável em ser sua paciente, mas não tive escolha. Felizmente, já me disseram que quem atua mais durante o trabalho de parto são as enfermeiras, então talvez nem faça tanta diferença (prefiro pensar que todos são profissionais e cuidarão da gente da melhor forma). No futuro pretendo escrever meu relato de parto, aí conto pra vocês como tudo transcorreu.

Falando sobre os preparativos, uma leitora sugeriu no post anterior que eu mostrasse o que vou levar para a maternidade, mas sinto decepcioná-la: aqui não tem nada de especial como ocorre no Brasil. O hospital fornece praticamente tudo o que eu e a baby precisaremos. Quando fiz o curso de gestante, a professora nos orientou a colocar na mala: pijama ou camisola (aí, uma colega do trabalho me aconselhou a dar preferência pela camisola, já que se for cesárea a calça do pijama pode me incomodar na barriga na hora de dormir), legging e top de academia, meias e um calçado confortável, além da nécessaire com produtos pessoais. Também separei um roupão e um biquíni para caso eu queira entrar na banheira ou no chuveiro (como forma de aliviar a dor).

Já para a Annalise, basicamente peguei um macacão fofo pra ser o look da saída da maternidade e outros dois por precaução, porque no hospital ela deve ficar enrolada no swaddle, então talvez acabe nem usando. Se eu fizer cesárea é provável que eu fique internada uns 3 dias, ao passo que no parto normal podemos ter alta em 24h.

Meu marido deve me acompanhar o tempo todo. Aliás, percebi que a gravidez nos uniu ainda mais! Estamos mais cúmplices do que nunca e desfrutando dos últimos momentos de calmaria e liberdade, kkkkk. Cozinhamos juntos diariamente, assistimos filmes e séries, passeamos... A gente tem total consciência de que a rotina vai mudar, então até lá vamos nos curtindo e cuidando do nosso lar doce lar. 

Aliás, eu tinha lido que os pais aproveitam a chegada do bebê não só para “preparar o ninho” como também para dar uma geral na casa – e é isso o que temos feito. No final de semana, por exemplo, ajeitamos alguns cantinhos que poderiam ser melhor organizados/decorados. Sabe aquele tipo de tarefa que a gente empurra com a barriga e sempre fica pra depois? Pois é, o depois é agora – inclusive porque minha mãe e irmão desembarcam aqui nos EUA na sexta-feira, aí é legal que a casa esteja arrumadinha!

Bom, provavelmente ficarei ocupada com as visitas (e de repente com uma recém-nascida em meus braços?!?!), então volto assim que possível ao blog! Obrigada por todo o carinho que tenho recebido de vocês! Um beijo meu e da Annalise, com quase 9 meses e meio! Tá chegando!

Comentários

  1. Camila, te desejo muitas felicidades com sua bonequinha, e estou torcendo para ela nascer dia 12, no dia no meu aniversário!Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela torcida, Cristiane! Que bom vê-la por aqui! Você continua pros lados de Seattle?

      Excluir

Postar um comentário